sexta-feira, fevereiro 17

Just thinking.

"Maybe surrounded by 
A million people I
Still feel all alone 
I just wanna go home"
Michel Bublé - Home

quinta-feira, outubro 20

Sobre amizades coloridas e outras variáveis


“Friends with Benefits” é de fato um lindo filme. Comédias românticas são inspiradoras e de nos fazem acreditar em amor de novela. A questão é: como esperar comédias românticas sem personagens pré definidos que residem na vida real? Todos os românticos de carteirinha ão de convir que já se pegaram imaginando quão lindo seria imaginar a vida dentro de um dos filmes de nosso apreço, mas o filme que intitula esta postagem veio para “discutir” o homem dos sonhos de toda mulher. O filme fala nada mais nada menos de uma headhunter que se envolve em um “relacionamento” com um grande amigo onde ambos buscam sexo e somente sexo. Como há de se esperar o filme desenvolve uma trama romântica e a estória se desenrola. Mas, a variável em questão não é como o filme se desenrola, mas como tudo isso acontece na vida real.

quarta-feira, setembro 7

Happy Birthday


Eu mudei. Definitivamente isso aconteceu. São detalhes tão simples que listá-los seria perda de tempo. O fato é que aconteceu. E eu espero que aqueles que prezo gostem tanto quanto eu. Fiz questão de marcar isso do meu jeito. Um jeito estúpido que me rendeu boas lembranças. Eu já tirei muitas fotos, vi muitos filmes, ouvi muitas musicas, conheci muitos lugares mas definitivamente a melhor das experiências que a vida pode me proporcionar foi a quantidade de gente, diferente, que eu conheci. Desculpem tanto clichê mas definitivamente pessoas são o melhores objetos de pesquisa. Desde sempre eu sou muito observadora, e sim, vivo de rótulos. Meus rótulos. É incrível como somos sínicos quando queremos, tristes quando precisamos e felizes quando não se há opção. E o pior, ninguém se importa. Não aprendi lições sobre felicidade. Descobri que são estúpidas e nunca funcionam, é sempre assim. Tive a certeza que livros não te fazem mais esperto e boa música sofre muita interferência da companhia. Como somos arrogantes meus amigos, e o pior: ninguém assume. Somos seres tão frágeis que a idéia de ser amado as vezes nos irrita. Fingir que ama sempre foi a melhor opção. Sofre-se menos, em tese. A verdade é que somos covardes e nosso maior argumento para ferir o outro é a própria covardia que toma conta. E quanto medo da verdade. Quanto medo de estar errado, ou pelo menos de assumir para si isto. Medo de julgamento. Medo de ficar sozinho. Medo de ficar com alguém. Tanto medo que o que me resta dizer é: Quanta vergonha. Certamente depois de tão pouco tempo de vida eu encontrei um objetivo. Não quero ser como vocês, viver como vocês, amar como vocês, sofrer como vocês. Desculpem-me a indelicadeza: vocês são estúpidos e não sabem fingir. Eu desejo pra mim de aniversário ser diferente. Com todas as dificuldades agregadas. Mesmo sem compreensão ou aceitação. E eu realmente espero que eu encontre alguém pra me entender.  Ou pelo menos suportar.

Pra terminar, um trecho de uma música que gosto muito e enfim, talvez alguem entenda o que eu quis dizer.


"Winter's cold spring erases
And the calm away by the storm is chasing
Everything good needs replacing"

Satellite - Dave Matthews Band 
Bem, a foto partiu de uma brincadeira que fiz com os amigos que encontrei online. Eles entenderam. ^^

quarta-feira, agosto 17

Só... escrevendo.


E se isso fosse mais do que é? E se fosse mais que toque, mais que desejo. E se fosse algo mais? Ninguém responde. É um medo tão grande de ser repreendido, incompreendido. Esperamos a verdade e convivemos com a duvida eterna por medo de afastar. Mas é uma inquietação tamanha. Eu quero você. Preciso. Mas e se não for só isso. E se além de querer, talvez eu também queira cuidar. Tenho medo de afirmar o que não sei, ou de perder o que talvez eu não queira descobrir. No fundo é melhor fingir que isso não existe. Ai eu escrevo. Escrevo porque é a única forma racional que eu encontrei de expor aquilo que me aperta, e dessa vez eu faço isso por mim. Uma das poucas coisas que eu realmente faço por mim. As outras tantas são feitas em função da alegria e felicidade de outrem que eu preciso satisfazer. Na verdade eu sei que não preciso, mas é um obrigação que eu não consigo superar. Sinto falta de andar com as próprias pernas, e talvez por isso eu tenha tanto medo de que talvez você possa sumir como tantos fizeram. Tenho medo das minhas decisões estúpidas, afinal não sou tão madura quanto finjo ser. No fundo ainda sou estúpida e sei disso. Preciso de um abraço apertado, um carinho gostoso, um segurar de mãos sem segundas intenções. Preciso parar de sobreviver, e isso é pra ontem. Preciso de tantas coisas que talvez no fundo eu nem precise de você, mas seria mais divertido. Preciso de mais que companhia uma vez na vida. Preciso de algo que não seja só o suficiente, mas que fosse mais do que eu espero. Preciso arrancar o que me prende, jogar fora. Sumir no mundo. Tomar as rédeas do que deveria ser meu e está na mão de tantos. No fundo, eu só preciso parar de ter tanto medo.

sexta-feira, julho 29

Namore alguém que te faça bem


Isso mesmo,namore alguém que te faça bem. A galera na internet resolveu criar suas formulazinhas de pessoas perfeitas, e eu venho discordar de todas. Namore alguém que leia, desde que independente da leitura ela seja uma pessoa que te faça sorrir. Namore alguém que escreva, desde que os olhos delas falem mais que as palavras que são colocadas no papel pra você. Namore alguém que jogue vídeo game, desde que ele aperte pause pra responder sua mensagem (ai você casa*-*) e que ele te convide pra compartilhar com você o que ele mais gosta por pior que você seja. Namore alguém que goste de filmes, desde que o filme preferido dele seja a história de vocês dois, e que ele conte a cena do encontro de ambos melhor que conta a cena de cinema preferida dele. Namore alguém que goste de música, desde que a melhor música que ele ouça é você sussurrando no ouvido dele. Namore colecionadores, desde que vocês colecionem juntos as melhores histórias, os melhores sorrisos e as melhores lembranças. Namore um “brutamontes”, desde que ele não perca a capacidade de assistir sua comédia romântica preferida com você e ainda fingir que não está emocionado pra ser sempre o super-herói da sua vida. Namore um machista, desde que ele cuide de você acima de tudo e tenha orgulho da mulher que tem em casa com todos os seus defeitos. Namore um músico, desde que não só as notas dele toquem seu coração, mas a maneira como ele olha pra você quando te dedica uma música. Namore alguém. Alguém que você goste do jeito que é e que te incomode. Alguém que te faça querer ser melhor, mesmo que apenas naquele mundinho que vocês criaram. Namore alguém que mesmo sem nenhum estereótipo se enquadre em seu padrão, ou não. Namore alguém que te torne a pessoa mais importante do mundo em uma segunda-feira e que torne o tédio de domingo interessante. Namore alguém simplesmente pelo prazer de estar com ele, ou morra procurando o ser perfeito.