quinta-feira, julho 28

You and I, both

"Nada o excitava mais que aquela renda que desenhava seu corpo perfeitamente. Seu gosto sempre a leva pro preto e ele adorava isso. Ela fazia questão de escolher as melhores, as mais provocantes, afinal aquele relacionamento era bom demais pra sumir assim. Ele adorava o jeito como ela se esforçava pra ser mais gostosa a cada dia, e como ela fazia isso sem esforço algum. Os traços entre os primeiro fios de cabelo e as unhas do pé dele eram fascinantes pra ela, sempre se perguntava como alguém podia ser tão completo assim. Só de imaginar suas mãos passeando por aquele corpo novamente já o dava arrepios, vê-la no meio dos amigos e não perder o controle era uma tarefa árdua. Ela não era típica, comum. Se excitava com o volume que ele apresentava quando estavam a sós. Aquilo era a gota d’agua pra um homem com um desejo tão grande. Não se amavam, pelo menos não se convenciam disso. Era melhor querer, querer tanto que qualquer lugar vazio era um excelente local pra se satisfazerem. O belo trabalho de ambos com os lábios, com os dentes, com a pele, com o “felling” era garantia de sorrisos pra um longo período de tempo. Era mais que prazer, era vontade saciada. Era se lambuzar no doce favorito sem culpa. Não se escondiam, mas o fato daquilo ser “sem hora marcada” era a melhor parte. Talvez não se completassem, mas o que faziam juntos era o bastante. Talvez nunca se amassem, mas foram felizes enquanto o tempo permitiu. Talvez tenha sido só sexo, mas foi o melhor. Talvez nunca mais se vissem ou alguém sumisse, mas de fato as boas lembranças nunca são apagadas"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comenta ai